segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Gratidão

Resolvi virar o colchão antes de virar o ano. Apenas pra descobrir que o outro lado tava bem mais sujo. Algum animal deve ter tido a mesma idéia antes de mim, ou vai ver fui eu mesma, já que nunca me lembro de nada. Meu espaço de memória foi todo preenchido com duas coisas: Dezenas de números telefônicos desassociados da memória de quem são seus respectivos donos, e com quando eu era presidente de um clube Pokémon e, como tal, achava que deveria decorar os nomes, na ordem, de pelo menos os duzentos primeiros pokémon.

Eu tinha dez anos. E não esqueci essas merdas até hoje.


Um tanto tardio, mas não tarde demais, meu mais sincero muito obrigada pelos presentes de Natal:

  • Ao Marconi, por Todos Os Nomes, do Saramago, com a dedicatória mais hilária que já li na vida;
  • Ao Omar, por A Hora Da Estrela, da Clarice Lispector, por saber que ela é ucraniana e por ter me feito rodar o Shopping Leblon inteiro pra me pagar um capuccino gelado;
  • Ao Christian, pelos chás mais lindos do mundo, justo a tempo de restaurar minha fé na humanidade, e por ter aguentado calado ser duplamente desacreditado. Por mim, que não acreditei que ele tivesse enviado os pretinhos, e pela Alfândega, que não acreditou que era chá. Acho que eles pensaram que era maconha ou coisa assim, pra terem retido por tanto tempo;
  • Ao meu padrinho Roy, pelo lindo e inesperado bule de chá de Londres, que também chegou em hora mais que providencial;
  • Ao meu tio, por parar de ouvir trance;
  • À minha mãe, por continuar sendo a pessoa mais especial do mundo, e que nunca me deixou que eu sentisse falta de nada. Não podia pedir por companhia melhor em todos esses anos.
E à todas as pessoas que me mandaram mensagens no Natal e que eu, geladinha, nada respondi. Obrigada.


Ah, falando nisso: lembrei do meu primeiro número de celular. Era (021) 9995-1066. Eu devia ter no máximo 13 anos, pois me lembro que ainda morava em Itaboraí. Se alguém estiver desocupado e quiser torrar uns créditos do Skype, liga por mim e depois me conta como foi a conversa. Sempre tive vontade de fazer isso, mas minha relação com telefones nunca foi das melhores.


Desejos pra 2008: Um caminhão de folha Foscotex. Quem já escreveu numa, sabe do que eu tô falando.

7 comentários:

koni-kun disse...

É nóis. Valeu pela lembrança =P

koni-kun disse...

To: Josefine

habichtorama disse...

gzuz que tela estranha de escrever comentario... veremos se funciona... e ah, abre logo o buddha bleu, nunca tomei e toh curioso pra ver se eh bom... e o outro vai ser "chas pretos SEM azucar espandino orisontes laifestaile", CERTEZA

beijos

Nakedboy disse...

Boa memória.
A minha só me serve para coisas realmente inúteis.
pergunte o nome de todos os inimigos do jogo Doom. Ou a sequencia dos filmes da Emanuelle.
Espero que a tua lhe traga melhores benesses!

bjs e feliz ano novo!

Pedro disse...

Porra.
Também ganhei o Todos os Nomes! \o/

gonuts disse...

Olá!
acabo de adicionar teu blog no meu! Antes que a frase fique ambígüa, deixa eu explicar... rapidamente falando, não te conheço e descobri teu blog num blog de um cara (utopia dilucular) que também não conheço! sim, coisa bizarra... de qualquer forma, adiciono blogs com bons textos ou com coisas interessantes, logo poucos, certo?

espero que não se importe e que de quebra dê uma passadela pelo meu blog em dengonuts.blogspot.com!

Lucia disse...

Nossa, lembro o número do meu primeiro celular também... 9697 0603... que terá sido feito dele?
Engraçado que, apesar de ser preguiçosa pra contas, tenho boa memória pra números... vai entender!

Contato

paula.groff@gmail.com

Fuça aew, lesk