sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Se você não é nerd, passe direto.

Mas se você é, isso pode te interessar.

Trouxe uma maleta comemorativa do centenário do Hergé da Bélgica, onde estive em Agosto. Quase deslocou meu ombro com o peso absurdo de ter que carregar pra cima e pra baixo como bagagem de mão, pra não pagar mais excesso de bagagem. Mas compensou, e como! Não consigo passar pelo lugar de honra que ela ocupa na minha mesa sem parar pra ficar olhando, alisando, suspirando, ah... foi a melhor compra da minha vida, sonho de menina nerd que passou a vida empoleirada na casinha dos fundos lendo quadrinhos.

São todas as obras principais do Tintin, dessas que seguem uma ordem e têm relação entre si (ficam de fora as embromações à la Tintin no Tibet e intermezzos similares), em edição em preto e branco e capa dura colorida. Uma graça. Lá eles realmente dão valor aos próprios artistas, e se orgulham deles. Você vê a França e a Bélgica toda em polvorosa por conta da comemoração do centenário. Canecas, latas de chocolate, lojas especializadas só no Hergé... meu Deus. Quando é que vamos ter algo parecido com respeito pelos nossos artistas? Da última vez que vi alguém falar do Henfil, por exemplo, foi uma imbecil reclamando, cheia de si, o que caralhos um "desenho ridículo e ultrapassado" estava fazendo no Globo "Será que ninguém sabe que a ditadura já acabou não? Hahahahaha!". ARGH. Meu sangue subiu com aquilo. Enfim.

Não vem ao caso o quanto é horrível passar nas bancas daqui e ver que só tem putaria de terceira linha anunciada pra todo lado, e se você quiser alguma coisa de mais qualidade em celulose, tem que vasculhar no meio de toda aquela celulite. Não vem ao caso que o preço das edições aqui é tão roubado, que essa mesma celulose sai daqui, viaja 10 mil km e ainda assim os caras lá fora pagam mais barato por uma revista ou um gibi que a gente. E também não vem ao caso que o preço dos livros tá um absurdo, as edições cada vez mais impossíveis de comprar e que daqui a pouco livro vai ser artigo de luxo, alto luxo, enquanto lá fora é possível conseguir boas versões traduzidas de livros BRASILEIROS, mais baratos do que a gente jamais conseguiria comprar aqui. Porra, é foda.

Mas eu ando me perdendo nos assuntos com uma freqüência incrível, não é mesmo, minha gente?

Falava do Hergé, o cara que me deixou totalmente inapta a viver nesse mundo e que contribuiu em muito pra atarraxar em mim valores totalmente demodê e conceitos ultrapassados de justiça, gentileza, humanidade, respeito, honestidade. Quem sabe ele fez isso com você também.

Mas o mais importante e o mais interessante sobre essa maleta dele que comprei, é que não vieram apenas As Aventuras de Tintin nela. Vieram também outros trabalhos, nunca publicados no Brasil, ao menos ao que me consta. Procurei na Internet e encontrei até em Portugal, mas ao que tudo indica, nunca vieram pro público brasileiro, o que é uma TREMENDA pena, porque são obras fantásticas.

E o que rola é que pintei meu cabelo de PRETO ELVIRA e agora, fora as obrigações diárias, não saio mais de casa até essa maldita cor sair, de tão horrorizada com o resultado que estou. Por isso, ou procuro um emprego de frentista, ou estudo francês no meu tempo vago. Então, pra praticar, resolvi traduzir essas obras inéditas pro português, e quero disponibilizar a quem estiver interessado. Se alguém tiver afim, faço cópia da versão traduzida e mando pelo correio. Só peço que a pessoa faça uma cópia e me mande a cópia de volta, pra reduzir meu custo. Com isso, só preciso imprimir uma nova capa colorida e encadernar, e posso enviar pra mais uma pessoa.

Quem quiser, por gentileza, deixe um comentário na caixa aí embaixo, de preferência deixando e-mail.

Mais tarde, quando a multifuncional tiver consertada, quero digitalizar e, quem sabe, pôr no Asterístico, onde acho que tem tudo a ver. Isso, é claro, se Madame Rizza me permitir.

As obras são essas (clique pra aumentar, você não é burro nem nada):

5 comentários:

Camila disse...

Eu gostava de voce como garota iluminada. 3 meses e o cabelo ja lavou, hehe

Lúcia disse...

Que LUXO! Eu também, se possuísse essa caixa, ficaria olhando, suspirando, acariciando, namorando...!

E livro pra mim, infelizmente, já é artigo de luxo. Só tenho lido mesmo os que pego emprestados em bibliotecas... Acho os preços abusivos, já não consigo comprar um bom livro há muito tempo... fico só suspirando quando passo em frente às livrarias ou quando recebo um catálogo... uma pena... uma vergonha. Sem os caros livros, a população vai mesmo é ligar a tevê e consumir aquele lixo todo. Tática perfeita pra se criar toda uma geração de acéfalos absolutamente manipuláveis, não?

Pois é... pois é...

Mas que pena, Paulinha, você acabar com o blog assim... logo agora que estou me esforçando pra voltar... mas vejo que tem outros ali na lista... logo passo lá pra conferir!

Só não deixe de escrever!

Beijos!

Basílio Sgaratti disse...

Porra, está ai uma notícia ruim (a do post seguinte a esse). Não podia ter escolhido um outro dia que não segunda-feira? Convenhamos, já é suficientemente ruim. Mas sobrou algum lugar onde você ainda postará linhas inspiradoras?

Abraços Fraternos

Paula disse...

Hahahaha
Malz aí pela Segunda Feira, rapaz.

E, sim, na verdade tem, devo passar por e-mail para algumas pessoas assim que estiver mais arrumadinho. Isso aqui já estava me incomodando. Gente que não é bem vinda lendo, fora que não se pode viver à sombra da Sheila Mello a vida toda. Parti em busca dos meus dias de Carla Perez.

Em breve faço contato, amigo.

Abração.

Aleléx disse...

Tintin marcou minha infância, lia com minha irmã, ríamos juntos das melhores tiradas... acho que tive quase tudo dele.

Hoje, estão quase todos com as páginas soltas. = (

sensacional a caixa *-*

E valeu por linkar a Lan House, menine. = )

Contato

paula.groff@gmail.com

Fuça aew, lesk